quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Mercado da Bola 2014 - Dicas: Zagueiros

O “Mercado da Bola 2014” vem com mais uma dica. Depois de falar dos goleiros e dos laterais que podem ser alvos de clubes nessa próxima janela, chegou a vez dos zagueiros. Os clubes do Brasil de maneira geral costumam ter um grande jogador na posição e outros que causam arrepios em sua torcida, outros possuem zagas em bons momentos e com boas peças como Atlético Mineiro, Grêmio e Corinthians, outros precisam de jogadores mais consistentes e com mais segurança, como o Internacional. Porém é difícil arranjar times com uma ótima opção de zagueiro no banco, afinal, se dois são bons, nesse caso três pode ser ainda melhor.
                Todo time que deseja chegar a algum lugar precisa ter uma boa “cozinha” e aqui vão dicas de zagueiros que podem ser opções para ano que vem:

Anderson Martins (Al Jaish): Certamente um jogador que deve causar saudades a torcida Vascaína. Tem apenas 26 anos e está atualmente no milionário futebol do Qatar. Formou dupla com Dedé na campanha do clube Cruzmaltino na Copa do Brasil de 2011, mas antes disso fez ótimos jogos pelo Vitória. Com o time baiano conseguiu quatro títulos estaduais e um vice-campeonato da Copa do Brasil, além da Copa do Nordeste de 2010. No Qatar na temporada de 2011/2012 seu clube foi vice-campeão e na passada ficou em terceiro. É uma negociação difícil, afinal não faz tanto tempo que ele deixou o Brasil, mas como esses jogadores só buscam esse mercado para fazer seu “pé de meia” e jogar poucas temporadas é uma alternativa e deve valer o investimento.

Manoel (Atlético Paranaense): Um dos melhores zagueiros que atuam no Brasil é novo e tem tudo para se firmar em um grande clube, não só do Brasil, mas também da Europa e com todo respeito à história do Atlético Paranaense, mas ele já está fazendo “hora extra” no clube. É o terceiro melhor zagueiro em roubadas de bola do Campeonato Brasileiro e tem uma média baixa de faltas para um jogador de sua posição. Sempre bastante seguro e se posicionando muito bem, deve ser difícil tirá-lo do Furacão para o próximo ano, já que o clube deverá se classificar para a Libertadores, porém, deve ser bastante assediado, principalmente por clubes do exterior.

André Dias (Lazio): Precisando de um zagueiro, experiente e que simplifica muito as coisas? André Dias pode ser ideal. Aos 34 anos o zagueiro teve enorme destaque no São Paulo, ganhando três Campeonatos Brasileiros (2006, 2007 e 2008) e faturando a Bola de Prata (Revista Placar) como melhor zagueiro em dois anos (2008 e 2009) e entrando na seleção do Brasileiro de 2009 (oficial da CBF). Neste ultimo ano mesmo já veterano, lhe rendeu uma passagem para o futebol europeu, onde se firmou na Lazio e foi campeão da Copa da Itália nesta ultima temporada. Na atual temporada vem perdendo o espaço, e não deve ser uma negociação tão difícil.

Lúcio (São Paulo): O experiente xerife do Penta não esteve muito bem nos últimos anos, tendo passagem apagada pela Juventus e pelo São Paulo, chegando até ser afastado da equipe e tendo que treinar separado. Apesar de ser uma aposta de risco, devido ao seu alto salário e não estar bem, uma nova oportunidade pode também ser ideal para Lúcio dar a volta por cima e voltar a jogar um futebol de alto nível. Devido a este afastamento, o São Paulo deve facilitar a sua saída nessa próxima janela, sendo o próprio jogador o maior desafio. Não acredito que deve diminuir muito sua pedida salarial.

                Existem ainda outras opções de zagueiros que podemos citar: o zagueiro Luisão do Benfica é uma delas. Experiente e com bom jogo aéreo, pode ser uma boa alternativa para quem realmente deseja investir na posição. É titular na equipe portuguesa e não deve ser tão fácil tirá-lo, porém a idade pode ser um fator positivo para o Benfica querer renovação no setor. Ainda pensando em jogadores do exterior, Gabriel Paulista que saiu recentemente do Vitória para o Villareal, estava fazendo bom Campeonato Brasileiro, porém ainda não atuou nem se quer 1 minuto pela equipe espanhola, talvez um contrato de empréstimo seja aceitável para o Submarino Amarelo.

                Aqui no Brasil existem algumas opções também, como o zagueiro Leandro Almeida do Coritiba, o veterano Rodrigo do Goiás, além do jovem Léo que é apenas reserva no Cruzeiro e de Durval que deve deixar o Santos ano que vem. Da Série B, Alex Alves de 21 anos que joga no Paraná Clube e Rafael Lima de 27 anos da Chapecoense são opções para teste.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Quem cai?

               
               
               Todos sabem que no futebol os matemáticos costumam errar bastante e neste campeonato a cada rodada eles são obrigados a recalcular, muitas vezes se contradizendo com o que haviam dito na rodada anterior. A briga pelo rebaixamento é intensa e não adianta se apegar aos números, o futebol é imprevisível e existem variáveis que não são quantizáveis.
                O Náutico já está rebaixado e a Ponte Preta que muitos já diziam morta está mais viva do que nunca, então, ainda nos restam três vagas e a meu ver, sete times disputando-as: Criciúma, Vasco, Ponte Preta, Fluminense, Bahia, Portuguesa e até a próxima rodada o Coritiba.

Abaixo temos uma tabela com os próximos jogos e cada time:

Criciúma
Vasco
Ponte Preta
Fluminense
Bahia
Portuguesa
Coritiba
P. Preta (casa)
Coritiba (casa)
Criciúma (fora)
Flamengo (neutro)
Grêmio (fora)
São Paulo (fora)
Vasco (fora)
Náutico (fora)
Santos (casa)
Vitória (casa)
Corinthians (fora)
Atlético MG (casa)
Coritiba (casa)
Portuguesa (fora)
Atlético PR (casa)
Grêmio (fora)
Goiás (fora)
Náutico (casa)
Santos (fora)
Botafogo (fora)
Corinthians (casa)
Coritiba (fora)
Corinthians (fora)
Cruzeiro (fora)
São Paulo (casa)
Náutico (fora)
Atlético MG (casa)
Criciúma (casa)
Vitória (casa)
Cruzeiro (casa)
Grêmio (casa)
Santos (fora)
Portuguesa (casa)
Bahia (fora)
Inter (fora)
São Paulo (casa)
Náutico (casa)
Portuguesa (casa)
Atlético MG (casa)
Cruzeiro (fora)
Ponte Preta (fora)
Botafogo (casa)
Botafogo (fora)
Atlético PR (fora)
Inter (fora)
Bahia (fora)
Fluminense (casa)
Grêmio (casa)
São Paulo (fora)

                Existem diversas variáveis para serem analisadas: confrontos diretos contra os times que também estão brigando para não cair, desempenho em casa e fora de casa, confrontos contra os primeiros times da tabela, contra times que precisam mostrar resultados ou contra times que não possuem mais ambições nenhuma no campeonato, times que disputam competições paralelas e até mesmo mudanças como a recente do Vasco, a de treinador, que podem dar outra cara para a equipe.

Coritiba – Hoje o Coxa tem poucas chances de cair, porém daqui duas rodadas as coisas podem mudar devido a importância das duas próximas partidas. Olhando a tabela acima percebemos que eles irão enfrentar Vasco e Portuguesa fora de casa, dois adversários diretos na briga contra o rebaixamento e dependendo dos resultados pode ser colocado novamente em perigo. O desempenho do time fora de casa também não agrada, em 15 partidas venceu apenas 1 e empatou outras 5, tendo então 9 derrotas. Por outro lado o desempenho em casa é bastante aceitável, vencendo 9 confrontos, empatando 5 e perdendo apenas 2 vezes e na sequencia terá Corinthians e Criciúma em casa, um adversário direto e outro que precisa mostrar futebol apesar de não brigar por nada neste campeonato mais. Acredito que nas duas ultimas partidas do Coritiba, seus adversários já estarão sem pretensões no campeonato, o Botafogo que só disputa o Brasileiro, tentará garantir a vice-liderança do Brasileiro e uma vaga direta na Libertadores, já o São Paulo, não almejará mais nada neste campeonato provavelmente e se ainda estiver na Sul-Americana é capaz de entrar até com o time reserva. Resumindo, as próximas duas rodadas definirá o destino do Coxa.

Portuguesa – A Lusa tem uma tabela complicada, com três confrontos diretos e dois deles fora de casa, sendo que seu desempenho como visitante é ruim, com apenas 2 vitórias e 4 empates em 15 partidas. Sua próxima partida é contra o São Paulo, que apesar de estar distante hoje do rebaixamento e focar mais na competição continental ainda não abrirá mão total do Brasileiro, se empenhando para conquistar esses últimos pontos que o livrariam de vez da queda. Ainda terá Botafogo e Atlético Mineiro, um deles fora e ainda buscando solidificar sua vaga direta na Libertadores, o Galo está com a cabeça no Mundial e como o confronto será em meados de novembro, acredito que Cuca poupará um pouco e os jogadores não estarão mais focados no Brasileiro. Não podemos ignorar que a lusa neste returno está jogando bem, e em 12 partidas conseguiu conquistar 20 pontos, ganhando 6 e empatando 2, assim apesar de ter a ameaça da degola até o fim e com uma tabela equilibrada, acredito que a Portuguesa consiga sobreviver, contanto que vença o Coritiba no confronto da 34ª rodada.

Bahia – O Tricolor de Aço é um dos clubes que estão fora do z4 que eu vejo com grande ameaça de queda. O time não tem uma campanha ótima em casa e o desempenho fora também não agrada e os constantes empates estão fazendo o clube baiano cair aos poucos. O Bahia enfrentará nesses últimos jogos o Náutico, clube que está pensando na Série B do ano que vem já, por outro lado enfrentará um Cruzeiro (provavelmente já campeão) fora de casa. Receberá nas ultimas rodadas (36ª e 38ª) dois adversários diretos pra escapar Portuguesa e Fluminense, só que até lá, tem que fazer mais do que vem fazendo. Na próxima rodada, enfrentará o Grêmio em Porto Alegre, que estará focado na Copa do Brasil, mas depois da derrota deste final de semana para o Coxa, certamente não facilitará as coisas frente a sua torcida, independente do resultado do primeiro confronto contra o Atlético Paranaense.

Fluminense – O Flu pode acabar fazendo algo inédito no Brasileirão, ser o atual campeão e rebaixado, mas para que isso não ocorra a principal mudança tem que ser o futebol. O Tricolor Carioca tem uma das tabelas mais complicadas dos times que brigam contra o descenso, mesmo enfrentando o Náutico e em casa, pois acredito que este seja o único jogo que possa se dizer que o Flu tenha condições de ganhar 3 pontos hoje. O retrospecto recente do Flu não é bom e isso se aliando aos próximos adversários tornam as coisas ainda mais complicadas, está a 7 jogos sem vencer e destes foram 3 empates e 4 derrotas, em outras palavras, nos últimos 21 pontos disputados o Fluminense ganhou míseros 3 e na próxima rodada enfrentará o rival Flamengo que mesmo focado na Copa do Brasil não deve facilitar em nada. Antes de enfrentar o Náutico o Fluminense ainda enfrentará o Corinthians fora, precisando a cada rodada dar uma resposta positiva para a torcida e com uma defesa forte, e nesta situação atual, o Flu não pode se contentar com um empate.

Ponte Preta – Não é atoa que a Ponte está onde está e seu desempenho não agrada nem em casa e nem fora. Quase metade das derrotas que sofreu no Campeonato foram em casa, tendo apenas 6 vitórias e 3 empates em seu próprio domínio. A próxima rodada será crucial para a Ponte Preta, pois enfrentará o Criciúma fora de casa, adversário direto para fugir do z4. A Ponte terá que fazer o que ainda não fez neste Campeonato, vencer um adversário direto fora de casa (venceu apenas o Náutico, mas nenhum dos que disputam hoje com ela). O problema é que a Ponte nos últimos jogos está uma caixinha de surpresas, venceu Botafogo fora de casa, mas perdeu para o rebaixado Náutico em casa. No segundo turno é a 9ª colocada, se destacando bastante dos outros times que brigam com ela para cair. Porém a Ponte certamente terá a tabela mais difícil entre todos. Enfrentará Goiás e Vitória, dois times em ascensão e que ainda sonham com a vaga na Libertadores. O Vitória pelo Campeonato Brasileiro, vai lutar até o fim pelos 3 pontos, já o Goiás também tem a chance de ir pela Copa do Brasil, mas como o confronto será no serra Dourada, mesmo com os reservas a Ponte Preta terá um adversário duríssimo. Ainda restam Cruzeiro e Grêmio, dois adversários fortes e o Inter na ultima rodada, querendo terminar o Brasileiro honrosamente com uma vitória pelo menos.

Vasco – O time grande mais ameaçado e em um buraco difícil de sair. O grande problema do Vasco se resume ao número 1, os goleiros. O time perdeu muitos pontos com falhas de seus goleiros, e não importa qual dos 3 jogue, nenhum conseguirá de fato defender bem. O Vasco no segundo turno tem a terceira pior campanha, com apenas 9 pontos ganhos em 36 disputados, não vencendo a 4 jogos e perdendo jogos importantes como Criciúma e Ponte Preta. O Vasco terá o Náutico na penúltima rodada e do jeito que as coisas estão talvez seja tarde demais, antes enfrentará o líder Cruzeiro e Corinthians e Grêmio fora de casa, duas defesas fortes e com o clube carioca precisando da vitória. O Vasco terá dois jogos em casa, e precisará vencer a qualquer custo, principalmente o Coritiba. Uma variável imprevisível é a mudança de técnico que pode dar um animo a mais ao Cruz-Maltino e fazer o time conseguir feitos que ainda não conseguiu no campeonato.

Criciúma – O Tigre tem na sua tabela 2 confrontos diretos e o Náutico para tentar sair da zona do rebaixamento, porém, dois deles será fora de casa. Fora de casa inclusive o Criciúma tem uma péssima campanha, vencendo apenas 3 jogos, porém estes 3 jogos foram surpreendente, vencendo Vitória, São Paulo e Grêmio, mesmo sendo considerado derrotado antes de o jogo começar. O ultimo jogo contra o Cruzeiro também poderia fazer o resultado ser diferente, já que havia conseguido uma virada fenomenal. Os próximos três confrontos decidirão o futuro do Criciúma, enfrentando Ponte em casa e o Náutico rebaixado fora e um Atlético Paranaense inconstante neste segundo turno e com possibilidade de estar brigando pelo título inédito da copa do Brasil.


                Nessas ultimas sete rodadas que ainda restam muita coisa pode acontecer e o desespero de muitos e relaxamento de outros podem nos trazer resultados inesperados. Sinceramente acho difícil mudar o atual z4 e se acontecer essa mudança, creio que o Vasco terá uma chance de sair (devido à mudança de técnico) e o Fluminense tomar o seu lugar.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Raio-X: Ralf X Willians

                Outubro é a vez do Raio-X comparar dois jogadores mais experientes e com bastante destaque em seus clubes. A posição escolhida é a de primeiro volante, os famosos cães de guardas das zagas dos clubes. O embate será entre Ralf do Corinthians e Willians do Internacional.
                Ralf de Souza Teles, nascido em 9 de julho de 1984 em São Paulo e joga como volante atualmente no Corinthians. Começou nos campos da várzea antes de integrar o time de Taboão da Serra (cidade de São Paulo), depois teve uma rápida passagem pela categoria de base do São Paulo até que chegou na Sociedade Imperatriz de Desportos, clube maranhense no qual em seu primeiro ano conquistou o título Maranhense, o primeiro em sua carreira e na história do clube. O jogador ainda teve passagens por XV de Jaú, Gama e Noroeste antes de chegar ao Barueri e ganhar destaque, chamando a atenção de muitos clubes.
                Chegou ao Corinthians para preencher a lacuna deixada por Cristian, ingressando a equipe para disputa da Libertadores de 2010 e é um dos destaques da equipe até hoje. Pelo clube paulista ele conquistou um Campeonato Brasileiro (2011), uma Libertadores (2012), um Mundial (2012), um Campeonato Paulista (2013) e uma Recopa Sul Americana (2013), foi também eleito para a Seleção do Brasileiro em 2011 e Bola de Prata pela revista placar em 2012.
                Willians Domingos Fernandes, nascido em 29 de janeiro de 1986 na Praia Grande, litoral de São Paulo. Sua carreira teve inicio no Santo André ainda nas categorias de base e onde jogou profissionalmente em 2007 e 2008, ultimo ano inclusive fazendo parte da bela campanha na Série B na qual o clube consagrou-se vice-campeão. Seu bom desempenho chamou a atenção do Flamengo sendo contratado e tendo sua estreia ainda no Campeonato Carioca de 2009 contra o Friburguense.
                No Flamengo foi uma das peças fundamentais do time Campeão Brasileiro de 2009, aparecendo definitivamente no cenário nacional e sendo premiado como o “maior ladrão de bolas” daquela edição. Transferiu-se para o futebol italiano, mais precisamente para a Udinese no meio de 2012. Não se firmou na equipe e teve poucas atuações e acabou voltando para jogar no Brasil pelo Internacional, onde está atualmente.
                Este ano ambos os clubes em que atuam os jogadores estão deixando a desejar, principalmente no Campeonato Brasileiro, porém, os dois atletas são um dos poucos que se salvam e vêm mantendo regularidade em suas atuações. Willians por exemplo é o maior roubador de bolas do Campeonato Brasileiro, com 88 em 23 partidas, com uma média de quase quatro roubadas de bola por jogo (3,83). O problema é que tem feito algumas faltas duras e nessas 23 partidas, quase metade recebeu um cartão amarelo (11 cartões). Diferente de Willians, Ralf tem menos roubadas de bola e também menos cartões. São 62 roubados de bola em 28 partidas, com uma média de 2,21 roubadas por partida e apenas quatro cartões amarelos.

                Ambos em suas equipes também são os jogadores que mais fazem desarmes tanto certos como errados. Wllians, por exemplo, tem uma média de 5 desarmes certos por partida e 1,4 desarmes errados. Já Ralf tem um índice de 4,6 desarmes certos por partida, e com muito menos desarmes errados, sendo 0,7 em média. O volante Colorado tem uma chegada melhor no ataque, aparecendo com mais frequência para finalizações de fora da área e anotando quatro gols este ano (três deles no Brasileirão). Ralf é um volante mais limitado, sempre guardando posição e defendendo muito bem, apesar disso conseguiu anotar um gol. É muito difícil escolher um dos dois jogadores, ambos têm bastante qualidade e são destaques em suas equipes, porém, por ser um pouco mais completo e ter uma saída de bola melhor, o Raio-X decide escolher Willians como vencedor desse embate!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Como vão as defesas?

Como de costume, este ano o Geral F. C. vem fazendo levantamentos periódicos de como estão os ataques e defesas dos clubes da Série A do Brasileirão. Chegou mais uma vez de expor os números dos sistemas defensivos dos clubes e comparar se houve evolução ou piora, além disso, vendo quem tem a defesa menos vazada do ano e a mais vazada.
Como previsto no texto anterior feito em Junho deste ano, a defesa do Botafogo que até então era a melhor foi colocada em “cheque” com apenas cinco partidas do Brasileirão. O time que ostentava uma incrível média de 0,53 gols sofridos por partida havia disputado apenas o Campeonato Carioca e as primeiras fases da Copa do Brasil, mas com o andamento do Brasileiro sua média subiu para 0,88 gols sofridos por partidas, tendo suas redes balançadas 51 vezes em 58 jogos. Foi um aumento considerável mostrando que o nível dos adversários enfrentados anteriormente não eram fortes, porém ainda sustenta a terceira melhor defesa da Série A em média.
O Corinthians realmente tem a “cara” de Titi. Um técnico que foco bastante seu trabalho em um esquema forte defensivamente vem mantendo a tradição e vem fazendo mais uma vez a defesa Corintiana ser a melhor dos clubes da Série A. o clube tem uma incrível média de 0,64 gols sofridos por partida, tendo uma boa vantagem para a segunda melhor defesa em termos de média.
Se comparado com Junho, um clube que pode se orgulhar de ter melhorado a sua defesa é o Grêmio. O Imortal Tricolor não tinha uma defesa que convencesse muito e ocupava a 10ª posição na tabela com 0,94 gols sofridos por partida. Hoje, a equipe tem a 4ª melhor defesa média entre os clubes de Série A com uma média de 0,88 gols sofridos por partida. São 61 jogos e 54 gols sofridos e o novo esquema implantado por Renato Gaúcho é o grande responsável, atuando na maioria das vezes com três zagueiros e três volantes, já que Zé Roberto e Elano tiveram uma queda de rendimento.
Negativamente podemos destacar duas defesas: primeiro a zaga do Vasco, que mesmo subindo uma posição em termos de média de gols sofridos, viu a mesma piorar mesmo contratando novos jogadores para a posição. O que antes era 31 gols em 22 jogos com uma média de 1,4 gols sofridos, hoje têm 75 gols sofridos em 50 jogos com uma média de 1,5 gols sofridos por partida. O Náutico, candidato a bater todos os recordes negativamente na era dos pontos corridos e virtual rebaixado é o clube que possuí hoje a pior defesa entre os clubes de Série A no ano. O Brasileiro certamente foi o principal responsável por tamanha queda em sua defesa: em Junho o alvirrubro tinha uma média de 1,17 gols sofridos por partida, mas hoje, essa média aumentou para 1,56 gols sofridos por partida. É um aumento espantoso e que reflete muito a fase vivida pelo clube.

Times
Quantidade de Jogos
Quantidade de gols
Média
Corinthians
66
42
0,64
Cruzeiro
52
42
0,81
Botafogo
58
51
0,88
Grêmio
61
54
0,88
Goiás
60
55
0,92
Internacional
59
58
0,98
Santos
61
62
1,02
Flamengo
55
56
1,02
Ponte Preta
58
62
1,07
Fluminense
60
65
1,08
Coritiba
60
65
1,08
São Paulo
64
70
1,09
Atlético MG
61
67
1,1
Portuguesa
61
69
1,13
Atlético PR
62
72
1,16
Vitória
56
70
1,25
Bahia
54
69
1,28
Criciúma
60
82
1,37
Vasco
50
75
1,5
Náutico
57
89
1,56


Link para o texto de Junho caso deseja comparar: 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Mercado da Bola 2014 - Dicas: Laterais

A coluna “Mercado da Bola 2014” continua e dessa vez trazemos dicas de outra posição. Depois dos goleiros, chegou à vez dos laterais. Acredito que hoje no Brasil esse seja um dos grandes problemas das equipes, ter mais do que bons laterais. Jogadores diferenciados na posição inclusive fora do Brasil e da nossa nacionalidade é difícil de encontrar. Na nossa própria seleção, temos Marcelo como lateral inquestionável e dúvidas em seu reserva e apesar da mídia dizer que Maxwell está convencendo, acredito que ele não tenha sido realmente testado contra grandes equipes para termos essa total confiança. Na lateral direita o problema é ainda maior, já que nem mesmo Daniel Alves convence a todos e até o momento não temos um reserva, que deve ser escolhido de ultima hora.
No Brasil acredito que poucos clubes têm bons laterais. O Cruzeiro pelo lado direito é um deles, Ceará vem se mostrando regular e desde que chegou é destaque. Mayke, seu reserva, é jovem e entrou muito bem no time, tem muito que aprender, mas demonstra potencial e confiança. Egídio obteve sua redenção neste Campeonato Brasileiro. Bastante questionado no começo do ano, o Cruzeiro até pensou em contratar Bruno Cortez que havia sido “encostado” no São Paulo, porém no nacional vem sendo muito importante ofensivamente e aproveitando seu bom momento.
Outros laterais que estão bem é Marcos Rocha no Atlético Mineiro e a revelação da posição neste ano Alex Telles no Grêmio. Marcos Rocha deixa a desejar defensivamente, porém ofensivamente vem sendo importante nas campanhas do Galo desde o ano passado. No caso de Alex Telles vejo como um jogador diferenciado e que tem tudo para crescer ainda mais. Jogador bastante técnico e bom defensivamente tem sido autor das principais jogadas do time gaúcho e se for bem trabalhado tem tudo para ser um lateral completo.
Vários clubes precisam buscar laterais melhores, no caso de Vasco, São Paulo, Flamengo e Corinthians isso é um pouco evidente. Outros como Fluminense pode pensar em ir atrás de apenas um, que no caso seria para a direita, pois os que possuí no elenco não convencem. Sem mais demoras seguem as dicas:

Mario Fernandes (CSKA Moscou): Iniciou a carreira como zagueiro e ainda no Grêmio começou a ser improvisado na lateral direita por falta de opção. Posição que acabou se saindo melhor do que na original e ganhou destaque para ser convocado para a seleção brasileira na disputa do Superclássico das Américas. Ainda se tratando de seleção, causou a polemica de ter negado uma convocação alegando problemas pessoais. Foi vendido ao CSKA Moscou por 10,5 milhões de euros e foi titular durante toda temporada passada, tendo bastante destaque. Na pausa europeia, realizou uma cirurgia no joelho e desde então não vem atuando pela equipe russa nesta nova temporada. Ainda em recuperação, talvez seja uma boa opção para um empréstimo no começo do ano, até mesmo visando a Copa e sendo que Felipão já disse que o observaria.

Mariano (Bordeaux): Ex-jogador do Fluminense, Mariano está com 27 anos e atuando sua terceira temporada na França. Foi eleito melhor lateral direito do Campeonato Brasileiro de 2010 e faz falta até hoje ao Tricolor Carioca, que o vendeu por apenas 3 milhões de euros. Ele é titular absoluto da posição e não seria um negócio tão fácil e barato, porém a Copa do Mundo de 2014 seria um grande trunfo argumentativo devido o jogador ter perdido sua visibilidade e a existência ainda de uma vaga para a posição.

Fábio (Manchester United): O jovem lateral que pertence ao Manchester United é pouco aproveitado e não teria dificuldades em sair por empréstimo para outro clube e inclusive já declarou interesse em atuar no futebol brasileiro. Aos 23 anos pode ser uma opção para clubes que precisem de lateral esquerdo, já que estão um pouco escassos no mercado. Apesar de atuar pela esquerda desde as categorias de base do Fluminense para não disputar posição com o irmão Rafael, ele é destro e também pode ser uma opção para jogar na direita. Não deve ser um jogador caro, já que ainda precisa provar seu valor.

Gino Peruzzi (Catania): O jovem lateral direito de 21 anos revelado pelo Velez se destacou pelo clube argentino, principalmente na Copa Libertadores do ano passado (2012) e nesta temporada acabou sendo comprado pelo clube italiano por 3,5 milhões de euros. Porém, o garoto não está sendo aproveitado no clube e pode ser uma boa opção para algum clube brasileiro que tenha condições de apostar.


                Ainda existem alguns outros laterais que possam virar opção, aqui ainda no Brasil. O lateral da Lusa, Luís Ricardo é um deles. É hoje o principal jogador da equipe, sempre se doando muito para a defesa e causando transtornos para os adversários quando sobe ao ataque. Outra opção que pode ser uma boa aposta é Victor Ferraz do Coritiba. Apesar do momento ruim da equipe, ele vem mantendo certa regularidade e sempre com bons passes para os finalizadores. Ainda existem opções para times menores, como os laterais do Criciúma Marlon e Sueliton ou do veterano Vicente que atua pelo Ceará.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

História dos Clássicos: GreNal

                              O GreNal é o confronto entre duas das maiores equipes do país e um dos clássicos mais importantes de todo o mundo. Esse clássico de Porto Alegre que coloca frente a frente o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e Sport  Club Internacional desde 1909 (mais de 100 anos de clássico) e ao longo de seus quase 400 jogos, muitas histórias já aconteceram.
                A expressão “Gre-Nal” surgiu em 1926 pelo jornalista Ivo dos Santos Martins (gremista) para abreviar os longos nomes dos clubes em seus textos. O Grêmio por ter sido fundado seis anos antes liderou com folga as primeiras estatísticas, inclusive vencendo o primeiro confronto de forma majestosa (10 a 0), tendo cinco gols marcados pelo alemão Edgar Booth, que também foi autor do primeiro gol do clássico na história. O Internacional tomou a frente nas estatísticas na época conhecida como “Rolo Compressor” e desde então nunca mais foi ultrapassado.

Dados gerais:

Total de jogos: 397.
Total de Gols: 1087.
Vitórias do Grêmio: 125.
Gols do Grêmio: 524.
Vitórias do Internacional: 149.
Gols do Internacional: 563.
Empates: 123.
Maior público pagante: 85.072 (Internacional 1 x 1 Grêmio) – 30 de maio de 1971.
Maior artilheiro do clássico: Carlitos (Internacional) – 42 gols.

Grêm10 x 0 Internacional:

                A maior goleada do clássico também é marcada por ser o primeiro confronto entre as duas equipes e o placar foi algo que dificilmente será batido um dia por mais distinta seja a fase dos dois clubes. Dirigentes Colorados procuraram os Gremistas para serem seus primeiros adversários, já que o clube acabara de ser fundado há dois meses. A partida que inicialmente seria disputada o dia 27 de junho foi adiada para o mês seguinte devido a agenda lotada do clube tricolor e da exigência dos colorados em enfrentar o time titular de seu adversário.
                Em 18 de julho de 1909 no Estádio da Baixada (que pertencia ao Grêmio) foi realizada a partida. O Grêmio com seu uniforme dividido verticalmente em branco e azul e com calções pretos, já o Inter com sua camisa listrada vermelha e branca e calções brancos. Os gols não demoraram a sair e o primeiro da história do clássico foi logo aos 10 minutos iniciais, marcado por Edgar Booth.

FICHA TÉCNICA DA PARTIDA
Data: 18/07/1909.
Grêmio 10 x 0 Internacional.
Local: Estádio da Baixada.
Gols: Grünewald (4), Moreira (1), Booth (5).
Grêmio: Kallfelz; Deppermann e Becker; Karls, Black e Mostardeiro; Brochado, Grünewald, Moreira, Booth e Schröder.
Internacional: Luiz Poppe; Portella e Simoni; Vignoles, Pires e Wetternich; José Poppe, Carvalho, Cezar, Mendonça e Carvalho.

O jogo que virou história:

                
                O Grenal do Século foi assim denominada a segunda partida (após um empate sem gols no Olimpico) entre Grêmio e Internacional válida pela semifinal do Campeonato Brasileiro de 1988, em 12 de fevereiro de1989. A importância desta partida era realmente extraordinária, já que valia a classificação para a decisão do campeonato brasileiro (contra o vencedor de Bahia x Fluminense) e ainda a vaga na Taça Libertadores da América daquele ano.
                A partida terminou com vitória do Internacional por 2 a 1, de virada e com um jogador a menos em campo, pois o lateral Casemiro fora expulso ainda no primeiro tempo. Marcos Vinícius marcou para o Grêmio aos 25 minutos de jogo. Na segunda etapa, o centroavante Nílson marcou duas vezes para o Internacional, aos 16 e aos 26 minutos. Nilson foi considerado o grande herói do jogo, pois além de ter feito os dois gols, jogou machucado.
                Este foi o Grenal número 297, foi disputado no Estádio Beira-Rio e teve o maior público de Grenais em Campeonatos Brasileiros até hoje: 78.083 pagantes.
O livro "O Segundo tempo", de Michel Laub (Editora Companhia das Letras, São Paulo, 2006), conta uma história fictícia que se passa durante o "Grenal do século".

100 anos de rivalidade:

                O Grenal de número 377 não foi apenas mais um Grenal, afinal o jogo realizado em 19 de julho de 2009 pelo Campeonato Brasileiro representava 100 anos do clássico e de uma rivalidade intensa que só cresceu e cresce ao longo dos anos. Havia muita expectativa para o confronto e muita badalação por parte da mídia. A vitória foi gremista e de virada pra deixar o sabor ainda melhor.

FICHA TÉCICA DA PARTIDA
Data: 19/07/2009.
Grêmio 2 x 1 Internacional.
Local: Estádio Olímpico Monumental.
Gols: Souza, Maxi Lopez (Grêmio). Nilmar (Internacional).
Grêmio: Victor; Mário Fernandes (Makelele), Rafael Marques, Réver e Fábio Santos; Túlio, Adílson, Souza e Tcheco; Herrera (Jonas) e Maxi López. Técnico: Paulo Autuori.
Internacional: Lauro; Bolívar (Danilo Silva), Índio, Sorondo e Kléber;  Sandro, Guiñazu, Andrezinho (Giuliano) e D'Alessandro; Taíson (Alecsandro) e Nilmar. Técnico: Tite.

O Rolo Compressor:

                “Rolo Compressor” foi como ficou conhecido o time do Internacional nas décadas de 40 e 50
por ter como grande característica o seu poder ofensivo. Desse time destaca-se Carlitos (Alberto Zolim Filho), ponta esquerda do time Colorado e maior artilheiro da história do clube com 485 gols em 384.
                Carlitos jogou profissionalmente apenas no Inter e é um dos maiores ídolos do clube, seus 384 jogos entre 1939 e 1951 lhe renderam muitos gols, títulos e uma marca imbatível até hoje: a de maior artilheiro do futebol gaúcho. Faleceu em 2001 aos 79 anos, vitima de insuficiência respiratória.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Promessas Mundiais - Aleksandr Kokorin

                
               Aleksandr Aleksandrovich Kokorin, ou apenas Kokorin, nasceu em 19 de março de 1991 e tem 22 anos. Ele juntamente com Alan Dzagoev é tido como as duas maiores promessas russas dessa nova geração, e hoje vem mostrando o porquê.
                O jovem atacante teve passagem pela base do Lokomotiv antes de ir para a do Dínamo Moscou, clube no qual atua até hoje. Mostrando-se ser bastante versátil e oportunista, conseguiu conquistar seu espaço no clube e hoje é titular absoluto da equipe da capital russa que ocupa a sétima posição na Liga local. Em sete partidas no Campeonato Russo, o garoto marcou cinco gols.
                Neste ano, a promessa participou de um fato inusitado. O Anzhi, clube do milionário Suleiman Kerimov o havia comprado do Dínamo Moscou, pagando sua multa rescisória de 19 milhões de euros. No entanto, com o “surto” do milionário em colocar todo o time a venda, o jogador acabou voltando a Dínamo, juntamente com um “pacote” de jogadores por valores não divulgados.
                Pela seleção Russa, atuou nas categorias de base sub 19 e sub21, inclusive pela competição europeia da categoria sub21 em três partidas que realizou marcou cinco gols. Vem sendo convocado para a seleção principal desde 2011 e nessas eliminatórias para a Copa do Mundo disputou sete partidas das nove que sua seleção fez até agora, marcando quatro gols, estando atrás na artilharia apenas do veterano Kerzhakov.

                'Kokorin me encanta, ele é o futuro da seleção', Fábio Capello

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Categoria de Base - Certificado de Clube Formador

O Certificado de Clube Formador (CCF) é um documento emitido pela CBF atestando que os clubes têm condições de formar atletas e permitindo que eles possam assinar Contratos de Formação Desportiva. O anexo II da Resolução é formada por 5 incisos e sendo o último dele com 17 itens.
                Existe uma série de itens que um clube deve cumprir para ser considerado como formador, alguns destes são: apresentar uma relação de profissionais (técnicos e preparadores físicos) que serão responsáveis pela preparação e monitoramento das respectivas categorias de base, e todos esses com habilitação do exercício de sua função; apresentar programa de treinamento, detalhando responsáveis, objetivos, horários e atividades, compatíveis com a faixa etária, atividade escolar do atleta e período de competições; proporcionar assistência educacional que permita ao atleta frequentar curso em horários compatíveis com as atividades de formação em qualquer nível, ou ainda curso técnico, mediante matrícula em estabelecimento de ensino regular ou através de professores contratados, mantendo o controle sobre a frequência e o aproveitamento escolar do atleta; proporcionar assistência médica aos atletas, através de profissional especializado contratado, terceirizado ou mediante celebração comprovada de convênio com instituições públicas ou privadas que garanta exames médicos preliminares e complementares, departamento médico dotado de instalações adequadas, alimentação balanceada e supervisionada por nutricionista; centro de reabilitação, psicólogo, assistência odontológica, instalações dignas para os residentes no clube e pelo menos três refeições ao dia, transporte e bolsa auxílio, dentre outras exigências.
                Sem o CCF como dito anteriormente o clube não pode assinar um contrato de formação com seus atletas e sem isso ele não terá alguns direitos que competem somente ao clube formador, como a indenização caso o Atleta decida assinar o seu primeiro contrato profissional com outro clube.

                Nota-se que são grandes exigências e que nem todos os clubes terão condições de se adequarem, porém existe ainda uma saída viável que pode ser usada: A Lei do Incentivo ao Esporte. Clubes pequenos e médios podem fazer parcerias com empresários da região para que consigam preencher todos os requisitos, além de também fazer um trabalho social e evitar problemas que vão além do esporte, como drogas na infância e adolescência e evasão escolar. Um exemplo admirável de clube que conseguiu o CCF é o Nova Iguaçu, clube carioca que já revelou alguns jogadores Aírton (Inter, Flamengo e Benfica), Cortez (Benfica, São Paulo e Botafogo) e Deivid (Coritiba, Santos, Flamengo, Bordeaux e Cruzeiro). O Nova Iguaçu inclusive é o único carioca que possuí o CCF, e da categoria A, que dura por dois anos.      

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Categoria de Base - Contratos de Formação



O período de formação de um atleta é estabelecido entre 14 anos e até que se complete 22 anos, porém, um jovem jogador só pode assinar contrato profissional a partir dos 16 anos. Neste período anterior, o clube pode investir no mesmo através de um contrato de formação, ou também conhecido como Bolsa Aprendizagem.
Como de praxe, esse contrato de formação deverá obedecer a uma forma prescrita na Lei Pelé. O mesmo deverá ser registrado na entidade administrativa da respectiva modalidade desportiva e contemplará, obrigatoriamente: identificação completa das partes e dos seus representantes legais; duração do contrato e direitos e deveres das partes contratantes. Esse pacto deverá prever inclusive, garantia de seguro de vida e de acidentes pessoais para cobrir o atleta contratado e ainda, conter a especificação dos itens de gastos com esse jovem atleta para fins de cálculo de uma possível indenização com formação desportiva, no caso do atleta optar em assinar o primeiro contrato de trabalho com uma agremiação diferente da que promoveu sua formação.
Essa indenização funciona da mesma maneira que a do primeiro contrato profissional, caso o atleta não queira renovar com o clube formador e assinar com outro clube. Portanto, existe sim a possibilidade dos clubes serem protegidos pela lei em relação aos atletas de 14 anos em diante mesmo sem um contrato profissional. A questão é: seguir as formas legais, e atendendo os requisitos e assim valorizando o atleta.